Séries Especiais - Ortopedia

A ruptura do LCA

Todo cuidado é pouco após uma lesão de LCA

Romper o LCA – ligamento cruzado anterior – é coisa séria e deve ser encarada como tal. Andar após o trauma não é recomendável, já que pode aumentar a dor e o inchaço, e piorar ainda mais o joelho atingido.

No período imediato à contusão, em casos em que a dor é leve a ponto de não impedir o caminhar, muitos pacientes adiam a visita ao médico. Entretanto, a estes, um alerta: tão logo quanto possível, consultem o médico para o diagnóstico e início do tratamento de reabilitação, sob pena de danos maiores.

A lesão do LCA acontece quando o tecido que liga o fêmur à tíbia, localizado na altura do joelho e responsável por sua estabilidade, rompe-se, total ou parcialmente. Grande parte dessas lesões ocorre durante a prática de esportes de impacto como futebol, basquete e tênis. Os sintomas são imediatos: dor local, inchaço e instabilidade, ao tentar caminhar.  

Reconhecendo a lesão

Os sinais imediatos de um caso de rompimento de LCA são:

  • som de “estalo” no momento da contusão
  • dor que impossibilita a continuidade da atividade
  • inchaço imediato e/ou nas horas seguintes
  • sensação de instabilidade ao caminhar
  • a pele da região adquire cor arroxeada
  • perda de amplitude de movimento

Cuidados imediatos pós-ruptura

Após a lesão, o tratamento pode ser iniciado  antes da ida ao médico, para o controle da dor e do inchaço:

  • Faça aplicação de gelo no local
  • Deite e eleve a perna acima do nível do corpo
  • Se necessário, tome  analgésicos

Observados esses cuidados iniciais, o passo seguinte é procurar o especialista que, após diagnóstico baseado no grau e intensidade da lesão, vai elaborar um plano de tratamento levando em conta a idade, histórico médico e condição física atual do paciente.

De acordo com a American Academy of Orthopedic Surgeons (AAOS), rupturas de LCA apresentam três graus distintos de severidade

  • Grau 1: lesão leve, rompimento quase microscópico do ligamento. Necessita apenas de sessões de fisioterapia e exercícios de fortalecimento dos músculos, para que a amplitude de movimentos seja restabelecida.
  • Grau 2: lesão mediana, com rompimento parcial do LCA.
  • Grau 3: contusão severa – ruptura  total do ligamento. A maioria das lesões de LCA pertencem a esse grau. Cirurgia e fisioterapia são os caminhos para o restaurar  a força do joelho e para readquirir estabilidade e amplitude de movimentos.

Voltar a andar: quanto tempo leva?

Em lesões do grau 1, o médico poderá indicar ou não o uso de órteses, bengala e/ou muletas, por um período, para ajudar o paciente a locomover-se.

Já o tempo que levará para que possa voltar a caminhar sem auxílios externos, dependerá da resposta ao tratamento de reabilitação. Se o caso for cirúrgico, não há uma previsão exata, uma vez que a fisioterapia poderá, ou não, começar uma semana logo após o procedimento, dependendo de cada paciente.

No caso de atletas de esportes que envolvem saltos e impacto no solo, o prazo mínimo estimado de retorno à prática é de seis a oito meses após a cirurgia. Entretanto, estatísticas apontam que, nesse mesmo grupo (atletas), 1/3 corre o risco de nova ruptura de LCA no espaço de dois anos – portanto, é muito melhor concentra-se em uma recuperação mais longa e plena, do que correr riscos de novas lesões.

Entendendo a ruptura de LCA

A ruptura do ligamento cruzado anterior dificilmente ocorre fora do âmbito de práticas esportivas (salvo, por exemplo, acidentes automobilísticos e outros) que possam resultar em situações de stress sobre os joelhos.

Lesões de LCA são relativamente mais comuns entre atletas de alta performance, mas podem também atingir esportistas do dia a dia, igualmente envolvidos em esportes onde saltos e movimentos bruscos são práticas comuns.

Entre os movimentos característicos que podem precipitar uma lesão de LCA estão:

  • Mudanças rápidas de direção : nos jogos como  futebol e basquete,os jogadores precisam mudar de direção rapidamente ao executar jogadas ou desviar dos adversários. Um giro rápido ou “corte” pode colocar extrema pressão  no  LCA.
  • Mudar a velocidade ou parar subitamente: atletas que correm podem diminuir de repente a velocidade  ou parar subitamente causando um forte impacto nos ligamentos do joelho.
  • Salto e aterrissagem: qualquer atividade que envolva pular e aterrisar – vôlei, basquete,patinação artística, ginástica olímpica -, podem danificar o ligamento.
  • Contato e colisões: a LCA está em risco quando o joelho do atleta é atingido ou colide com outro jogador ou objeto. Por esta razão, as lesões do LCA são comuns em todos esportes de contato e impacto.

Fatores de risco

Alguns fatores ampliam os riscos em casos de rupturas de LCA:

  • esportes como futebol, basquete, tênis e ginástica olímpica
  • práticas esportivas em solos artificiais
  • mau condicionamento físico
  • equipamentos inapropriados (especialmente quanto aos tênis)

Siga as recomendações

A recomendação é: evite caminhar, após lesionar-se, se há suspeitas de ruptura de LCA. Porque caminhar não só aumenta o grau da lesão, como o nível da dor.

Consulte o ortopedista assim que possível, para um diagnóstico correto. Se a lesão for leve, o médico pode até autorizar o caminhar, sem muletas ou órteses, mantendo, claro, um programa de reabilitação e fisioterapia.

Já se a lesão for de nível 3 (grave), o caso quase que certamente envolverá cirurgia, seguida de fisioterapia. Ou seja, mais um motivo para evitar caminhar quando há suspeita de lesão de LCA. Algo que só o ortopedista saberá avaliar. 

Seguindo as recomendações médicas, com base nos progressos da recuperação, os pacientes voltam a andar, caminhar, correr ou praticar esportes mais rápido do que imaginam.

About the author

Dr. Pedro Baches Jorge

Dr. Pedro Baches Jorge

Médico Ortopedista, especializado em Joelho e Medicina do Esporte. Fundador do Núcleo de Medicina do Esporte do Hospital Sírio Libanês e Membro do Grupo de Trauma Esportivo da Santa Casa de São Paulo.
Diretor Científico da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Trauma do Esporte (SBRATE) e Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho (SBCJ)
Clínica SO.U – Unidade Bela Vista
R. Barata Ribeiro, 398 - 3º andar - Bela Vista, São Paulo - SP, 01308-000
Tel.: +55 (11) 3258-1706
http://www.clinicasou.com.br

Adicionar Comentário

Click here to post a comment

Notícias do dia

Clínica SO.U – acesse o site

Clínica SOU - ortopedia