Ombro

Como tratar a dor no ombro

Combatendo a dor no ombro - Imagem de Angelo Esslinger por Pixabay

Como tratar e prevenir a dor nesta parte do corpo

No passado, as infiltrações, injeções de cortisona eram frequentemente receitadas para dores no ombro. A inflamação diminuía, e com ela, a dor. Mas o que acontecia é que, em alguns casos a dor voltava e havia uma maior degeneração do tecido.

Hoje em dia as infiltrações só são recomendadas em casos nos quais o paciente continua sentindo dores intensas e quando não responde ao tratamento por meio de fisioterapia.

Recomendações:

Para casos de tendinite e bursite, em seus estágios iniciais e quando a dor é leve, o tratamento pode ser feito em casa e inclui alguns cuidados no cotidiano:

  • Repouso do ombro: evite movimentos repetitivos e pegar pesos, principalmente em alturas acima da cabeça.
  • Evite movimentos nos quais o braço é levantado de lado, como exemplo, pegar ticket de estacionamento.
  • Evite dormir do lado do ombro que está dolorido.

A esses cuidados, somam-se aplicações de gelo no local, durante vinte a trinta minutos, duas a três vezes ao dia, durante uma semana. Caso não haja melhora, é hora de procurar um especialista, pois a dor, mesmo ainda não sendo muito intensa, pode piorar. O especialista vai identificar se existe algum problema grave, e indicar o tratamento adequado. 

Nos casos de dores mais intensas, o médico, além de remédios, poderá indicar sessões de fisioterapia. Tratamentos que geram relaxamento muscular do trapézio e músculos ao redor da escápula, mobilidade articular e fortalecimento podem ser empregados. Esses métodos no relaxamento da contratura muscular, que por sua vez são um desdobramento da dor – os músculos da região dolorida se contraem, e liberações miofasciais auxiliam em seu relaxamento. 

Basicamente, quando a fisioterapia é indicada, seus objetivos são:

  • Aliviar a dor;
  • Controlar a inflamação;
  • Promover a melhor recuperação ou regeneração tecidual;
  • Evitar retrações da cápsula articular;
  • Corrigir os movimentos incorretos do ombro;
  • Retomar a funcionalidade do paciente.

As técnicas terapêuticas, bem como sua intensidade e regularidade, são individualizadas e variadas. Costumam incluir aplicações de gelo, Laser e correntes elétricas, com objetivo anti-inflamatório. Massagens, em suas diversas formas, também são utilizadas pelos fisioterapeutas, assim como exercícios e posturas, tração e relaxamento. Já exercícios de reforço muscular são fundamentais na recuperação, para restabelecer a harmonia da movimentação do ombro. Se a pessoa praticar esportes, a volta aos treinos é aconselhada, porém de forma progressiva e sem excessos iniciais.

Em grande parte dos casos, a fisioterapia e outros tratamentos coadjuvantes resolvem o problema. Quando isso não acontece, talvez a indicação seja cirúrgica.

Prof. Dr. Thiago Fukuda

Prof. Dr. Thiago Fukuda

Graduou-se em Fisioterapia em 2001, e em Fisioterapia neuro-musculoesquelética pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo – ISCMSP. Pós-Doutorado em Biomecânica pela University of Southern California. Experiência de 10 anos comofisioterapeuta da Santa Casa de São Paulo e da Seleção Brasileira de Futebol Feminino.
Premiado duas vezes pelo Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, de Londres, pela publicação de artigos científicos sobre o tratamento não cirúrgico para lesões no quadril e no joelho.

Adicionar Comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Clínica SO.U – acesse o site

Clínica SOU - ortopedia