Cotovelo de tenista, você sabe o que é?

Sou movimento Close up of physiotherapist working with patient in clinic - foto criada por J Comp

Apesar do nome, ela é muito mais comum em quem sequer pratica o esporte.

A epicondilite lateral, mais conhecida como “cotovelo de tenista” é uma condição degenerativa de tendões na região lateral do cotovelo, por isso, é associada a tenistas e a golfistas. Ela pode ocorrer com qualquer pessoa que, por diversas questões realize movimentos repetitivos, o que acaba ocasionando a lesão.

Mecânicos, operários, pedreiros, entre outros, estão muito mais sujeitos a ela do que tenistas. Idosos e pessoas acima dos 35 anos que usem repetidamente pulsos ou dedos em atividades diárias, digitação, por exemplo, também engrossam a lista.

Os principais sintomas são:

  • Dor no cotovelo que aumenta com movimentos de extensão do punho e dos dedos (exemplo: agarrar objetos);
  • Irradiação dessa mesma dor da parte externa do cotovelo para o antebraço e para as costas da mão;
  • Fraqueza no membro atingido;
  • Rigidez dos músculos do antebraço;
  • Dificuldade em segurar ou torcer alguma coisa;
  • Sensibilidade na região afetada. 

Exames

Alguns exames auxiliam o médico a detectar a epicondilite lateral. O exame físico e o histórico clínico da pessoa é analisado para descartar outras possíveis patologias que ocorrem na mesma região. Porém, exames laboratoriais, ultrassonografias, e principalmente ressonâncias magnéticas podem ser feitos, mas na maioria dos casos não são necessários para fechar o diagnóstico.

Sou movimento - Close up of physiotherapist working with patient in clinic - foto criada por J Comp

Tratamento

O tratamento costuma ser não cirúrgico, e a primeira indicação é de duas a três semanas de repouso e evitar esforços nos casos mais graves. Anti-inflamatórios são paliativos e não resolvem o problema, porém pode ser indicado para amenizar as dores.

Compressas de gelo na parte afetada, duas a três vezes ao dia, também ajudam bastante; em alguns casos o uso de órteses ortopédicas – apoio externo aplicado ao corpo para ajudar os aspectos funcionais – pode ser indicado pelo médico.

Em casos mais complicados, a aplicação de injeções de cortisona pode ser avaliada.

Quanto à fisioterapia, dependendo do caso, o médico pode indicar a acupuntura, em conjunto com técnicas como ultrassom e eletroterapia, além de exercícios de alongamento, à medida em que o paciente melhorar.

O tratamento mais eficaz, no entanto, é agir diretamente sobre a causa. E a principal causa é relacionada com a mecânica do indivíduo, sendo a fraqueza muscular e encurtamento da musculatura que estende os dedos, o punho o fator mais impactante, principalmente quando essa musculatura é muito usada. Adequar a capacidade funcional do paciente ao que ele exige do seu corpo é muito importante para a recuperação.

Caso a dor persista após um período entre seis a doze meses, entre o descanso e o tratamento, a cirurgia pode ser considerada.

Se não tratado, o cotovelo de tenista pode evoluir para uma dor de cotovelo crônica e limitar os movimentos.

About the author

Dr. Jan Willem Cerf Sprey

Dr. Jan Willem Cerf Sprey

Médico do Esporte, especialista em Ortopedia e Traumatologia Esportiva pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Membro do Grupo de Traumatologia da Santa Casa de São Paulo e diretor da Sociedade Paulista de Medicina do Exercício( SPAMDE)
Consultórios: Rua Barata Ribeiro 398, 3° andar
Rua Bandeira Paulista 716, cj 42 – São Paulo-SP
Tel.: + 55 (11) 3258-1706 / 3258-1394 / 96423-5137

Adicionar Comentário

Click here to post a comment