+Saúde

Fraturas: Saiba tudo a respeito

Fraturas: Saiba tudo a respeito - médico segurando um mockup de osso da bacia - foto criada por by Freepik

Tipos, causas, sintomas, tratamento e prevenção de um dos mais graves traumas a que o corpo humano está sujeito  

Uma fratura é um trauma que rompe o contorno natural dos ossos humanos. Ocorrem quando uma grande força ou impacto atinge o osso.

As formas são variadas: quedas, acidentes de carro, lesões do esporte, ou mesmo osteoporose, que é o desgaste ósseo decorrente da idade. Ainda que a maioria das fraturas seja por trauma, algumas podem ser causadas por doenças, como a osteoporose, câncer, etc. em comum, o fato de que qualquer fratura demanda cuidados médicos imediatos.

Tipos de fraturas

Fraturas podem ser internas ou expostas: na fratura interna, a pele não se rompe; já na exposta, a pele se rompe, como resultado do trauma, expondo o osso e, por consequência, gerando risco de infecções. Fraturas expostas sempre demandam cirurgias.

  • Fratura parcial: ocorre quando o osso não quebra completamente
  • fratura completa: quando o osso quebra em dois ou mais locais
  • fratura por stress: de difícil identificação sem o auxílio de exame de raio-X, acontece quando o osso sofre uma fissura, ou pequena rachadura, normalmente por conta de exercícios repetitivos.

Por sua vez, a classificação acima se subdivide nos seguintes tipos de fraturas:

  • transversal: a fratura ocorre em uma linha reta, ao longo do osso do membro
  • espiral: autodenominada, o osso quebra em espiral
  • oblíqua: fratura em diagonal ao osso
  • compressão: o osso é esmagado
  • tritura: o osso é fragmentado em diversos lugares
  • avulsão: um fragmento do osso é exposto, geralmente por um tendão ou ligamento

Sintomas

  • braços: dor, inchaço, deformidade visível, dificuldade de movimentação, sensação de calor ou vermelhidão.
  • ombro: som de estalo no momento da fratura, dor, inchaço, deformidade, o ombro fica duro.
  • pulso: dor, inchaço, incapacidade em segurar objeto e de usar a mão ou o pulso
  • mãos: dor, inchaço, sensibilidade ao toque, fraqueza do membro
  • dedo: dor, inchaço, incapacidade de mover o dedo, curvatura (o dedo fica mais curto).
  • perna: dor severa, inchaço, incapacidade de andar
  • pés: dor, inchaço, incapacidade de andar ou esticar a perna
  • tornozelo: dor severa, inchaço, sensibilidade ao toque, incapacidade de andar
  • dedos dos pés: dor, inchaço, descoloração e desconforto ao caminhar.

Após exame clínico rigoroso levando em conta o histórico do paciente e do trauma, o médico ortopedista poderá determinar a extensão da fratura. Para a avaliação, o exame mais comum é o de raio-X, que fornece imagens claras dos ossos afetados, além da extensão dos danos e sua precisa localização.

Tratamento 

Imobilização:

Uma estrutura imobilizadora (em gesso ou fibra) de vidro é a forma mais convencional no tratamento de fraturas. Isso acontece porque, na vasta maioria das vezes, as fraturas são curadas com sucesso após os ossos, serem reposicionados, e essa imobilização aplicada, para que permaneçam na posição correta durante a recuperação. 

Na prática, a função da imobilização é limitar, ou controlar, os movimentos, enquanto a fratura se consolida.

 Tração:

A tração é usada regularmente para realinhamento ósseo, através de uma pressão sutil (mas firme) e contínua na região afetada.

Fixação externa:

Nessa cirurgia, pinos de metal são fixados acima e abaixo do local da fratura; esses pinos são conectados a barras de metal, localizadas na parte externa do membro afetado. Essa estrutura é responsável por segurar os ossos juntos, na posição correta, enquanto a fratura se consolida.

Em casos nos quais a pele ou outros tecidos ao redor da fratura tenham sido muito afetados (ex. fraturas expostas), o fixador externo é aplicado até o momento em que uma cirurgia de reconstituição possa ser realizada no local.

Em casos de fraturas do fêmur, além da fixação externa, pode ser necessária também uma fixação interna. Durante essa operação, os ossos são reposicionados e realinhados, e depois unidos através de parafusos, ou placas de metal, chamadas de hastes intramedulares.

 Recuperação e fisioterapia

Fraturas normalmente levam de semanas a meses para consolidarem-se, dependendo do tipo de fratura e também de como o paciente segue as determinações do médico. Normalmente, a dor extingue-se muitos antes de a fratura estar curada e da volta do paciente às atividades normais.

Após a remoção da imobilização, o paciente continuará, por mais algum tempo, em uma fase de movimentação limitada do membro afetado. Durante esta fase de recuperação, a perda de força muscular da área afetada é praticamente inevitável. Assim, exercícios específicos de fortalecimento muscular e flexibilidade serão estabelecidos na fisioterapia que se seguirá à recuperação do paciente, e que pode levar de semanas a meses, até o restabelecimento da atividade motora.

Prevenção

Embora muitas fraturas resultem de traumas, o fortalecimento ósseo é uma maneira de prevenção ante a eventuais casualidades. Exercícios físicos e uma dieta alimentar apropriada, rica em cálcio de vitamina D, são alguns dos elementos que promovem a saúde e a força óssea, ajudando a evitar também os riscos da obesidade.

About the author

Redação SO.U Movimento

Redação SO.U Movimento

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar.
Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Adicionar Comentário

Click here to post a comment

Notícias do dia

Clínica SO.U – acesse o site

Clínica SOU - ortopedia